sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Ele há vidas!

Depois daquele episódio da Praça de Londres que já vos contei, prometi a mim mesma portar-me como deve ser e não me meter mais com arrumadores de carros.
No entanto, chego à conclusão que são eles que se metem comigo! Há qualquer coisa, sem ser o meu carro e as minhas moedinhas, que nos une.
Será que estou a desenvolver uma simpatia pela classe?

Estava eu a tentar estacionar o meu Ludovico lá pelos lados do Bairro, quando descubro um lugarzinho que tinha tanto de encantador como de proibido - o ideal para mim! Era ali mesmo ao lado do Teatro da Trindade, por isso simplesmente perfeito, caído do céu. Enfim, quem frequenta a zona sabe do que eu estou a falar!
Claro que quem frequenta a zona sabe também que não há lugar livre para estacionar sem arrumador em anexo, certo?
Depois do dito cujo me jurar pela vida que a polícia não me ía rebocar o carro porque era noite de teatro e eles facilitavam o estacionamento, lá comecei a fazer a manobra para estacionar.
Como pessoa automobilisticamente educada que sou, olhei para o carro de trás para lhe pedir um bocadinho de paciência enquanto eu estacionava, quando percebi que estava a pedir um milagre!
Isto porque quem estava pacientemente à espera que eu estacionasse era a própria da bófia que me deu aquele olhar "ora-estaciona-à-vontade-e-logo-vês-o-que-te-acontece"!
Fiz o meu sorriso 33 aos senhores polícias...

Mia para Arrumador: "Está alí a polícia!"
Arrumador para Mia: "E depois? Só vieste buscar um amigo teu que precisava de boleia"
E entra dentro do meu carro, senta-se ao meu lado e diz: "Anda, anda!!".
Ainda olho novamente para os polícias, que me devolvem um olhar "há-problema-ou-quê?, ao qual eu respondo, também com o olhar "não-não-está-tudo-bem...-não-há-problema...-tenho-medo!-quem-é-este-gajo?".
E avanço com o carro rua abaixo, na passeata pelo Bairro Alto, com um completo estranho sentado no meu carro a cheirar terrivelmente mal, e na animada converseta sobre os lobbys do estacionamento!
...
Na terça-feira resolvi experimentar o cabeleireiro Facto Lab, em Sta. Apolónia. Queria uma franja bem mais curta. Coisas de gajas!
Como a única indicação que tinha era que o cabeleireiro ficava ao pé do Lux, lá me dirigi ao parque de estacionamento do Lux numa de perguntar a alguém as coordenadas.
E quem são as alminhas que andam por aqueles lados às sete da tarde? Arrumadores de carros, claro!
Parei o carro e chamei o Sr. Arrumador:
Mia: Boa tarde! Sabe-me dizer onde fica o cabeleireiro Facto?
Arrumador: É já aqui! Estacione, estacione!!!
Olhei em redor e não vi cabeleireiro nenhum...
Mia: Mas aqui onde?
Arrumador furioso e a esbracejar: Olhe minha senhora, agora não tenho aqui nenhuma fotografia do cabeleireiro para lhe mostrar, tá bem???!!!
Dá meia volta a resmungar comigo e vai-se embora enquanto eu, completamente à nora ainda lhe grito da janela "Oh jovem!!! Não se irrite!! Eu só não estou a ver o cabeleireiro! Jovem!!".

10 comentários:

Luisa Seabra disse...

ahahahaha!!!! tá descansada...o problema não és tu...os arrumadores é q já se tornaram uma classe à parte.
Andava eu a tirar o curso de fotografia no IADE à noite, qdo um dia chego ás 19h, em cima da hora das aulas, estaciono o carro em frente ao MacDonalds, saio carregada de Portfolios, papeis de fotografia, máquina, dossiers etc, e corro para as aulas.
Ás 23h, hora q acabam as aulas, dirijo-me para o carro, ainda carregada, e ao mesmo tempo acrobaticamente á procura das chaves do carro.
Qdo chego ao carro, sem ainda ter encontrado as malditas chaves, ouço: "Olheeeeee (voz nazal e arrastada), esse carro é seu??"~
Era um arrumador, no pior estado de decadência.
"sim, é..." respondo, num tom de quem pergunta "mas q raio queres tu?"

"Toma...esqueceste-te das chaves na porta do carro..."

Até hoje, nem tenho comentários...

Lótus Azul disse...

A parte mais hilariante desta história,é quando tu, Mia Pita tratas o arrumador por: Oh Jovem!
Delicioso! O Facto é o único cabeleireiro ao qual ainda confio o meu cabelito de quando em vez. Que tal a franja? O ideal lá é fazer umas madeixas e trazer uns ténis de cor a condizer.

Isolamentos disse...

(gargalhadas) :) * eu nunca tive o prazer de falar com um arrumador de carros...mas também, lisboa...é lisboa...

Mia disse...

Luisa,
Uma vez estacionei o Ludovico na Av. da Liberdade sem pagar parquimetro, e dei 50 cêntimos ao arrumador. Quando voltei, ele dirigiu-se a mim e disse-me que tinha vindo a polícia para me multar e que ele me tinha tirado uma senha de parquimetro para não ter multa! Porreiro! :)

Lótus,
Pensei exactamente nisso! Mas como o dinheiro anda apertado, fiquei-me pelo cabelo e deixei os tenis para outra ocasião!

Isolamentos,
Tens que experimentar qualquer dia! :)

Rosa disse...

:DD Ó rapariga, tu não existes!!!

apipocamaisdoce disse...

Eh pá, um arrumador actor é do melhor! Estou mesmo a vê-lo a enfiar-se no carro e a fazer-se passar por teu amigo, só para enganar a polícia! Muito, muito bom! E depois, como é que o arrancaste de lá?
De certeza que não há uma conspiração entre os arrumadores de Lisboa para te atazanarem o juízo? Olha que eu acho que há! Um movimento qualquer tipo "bora lá chatear a cabeça a esta gaja que é buéda forreta a dar gorjas"! Eh eh!

coccinella disse...

Ainda bem que na santa terrinha onde moro não há arrumadores... Se não, também teria umas histórias engraçadas para contar, mas claro nunca tão hilariantes como as tuas e a frase: "oh jovem!" nunca entraria nelas! ;)

disse...

Histórias de arrumadores é o que mais há.
Tenho um que é meu amigo ali para os lados da Cidade Universitária, quando apareço falamos sobre assuntos muito importantes. Ele é um bocado assustador porque não tem dentes da frente, mas muito simpático.
Há dias estacionei, passado um bocado perguntou-me se conhecia aquela senhora que ia já para trás do sol posto, é claro que não conhecia. Ah é que ela deixou cair a chave...Dias depois perguntei-lhe se sempre tinha conseguido devolver a chave à senhora, fiquei a saber que tinha sido minha professora e que estava tão transtornada por ter perdido as chaves do carro que vinha a chorar.
Esse mesmo senhor um dia cheguei eu à hora do costume, abri a janela e ele agarrou-me no braço com tanta força que me assustei. Fazia anos e eu era a primeira pessoa a dar-lhe os parabéns!

Inútil disse...

Estas histórias só acontecem contigo, és irreal!

Djay disse...

Mia tenho que te dizer que em parte és responsável por eu ter um blog...(vim a procura de pessoas c experiência no Facto e vi o teu texto)...Os teus "amigos" arrumadores são o maximo,já deves ser famosa no meio da classe...entrar no teu carro foi surreal, ahhaha, hilariante!!!