segunda-feira, agosto 14, 2006

Adultos
Quando tinha 13 anos, para além de me achar o máximo, pensava que as pessoas com mais de 20 anos já eram adultas. Adultas à séria, daquelas que casam e têm filhos e trabalho, gravatas, contas no banco e carro.
Quando entrei para a faculdade tinha 18 anos e era completamente imberbe. Agora que trabalho há dois anos, também não me consigo levar realmente a sério, continuo com a sensação que estou a brincar às executivas. De qualquer forma, aqui no escritório toda a gente brinca aos Chefes, Macaquinho do Chinês, às Escondidas e à Apanhada, por isso é perfeitamente normal que as reuniões, principalmente as internas, me dêm vontade de rir.
Quando olho para mim com 25 anos de idade e me vejo a acampar ilegalmente na praia, a fazer xixi nas dunas, a tomar banho atrás de um jipe em plena praça de Vila do Bisbo e numa bomba de gasolina em Aljezur, a inventar personalidades e a tentar figurar em todas as fotografias de gente desconhecida no Sudoeste, percebo que afinal ainda me falta muito para chegar à fase adulta.
E o pior é que em vez de me tentar juntar com gente normal, no auge da sua responsabilidade e seriedade, não! Os meus amigos são tão insanos quanto eu. O que só potencia a minha senilidade tornando-a perigosamente normal.
O giro desta questão é que às vezes - raramente, mas acontece - até nos questionamos sobre o rumo das nossas vidas, sobre quando seremos nós pessoas sérias e adultas. Se nos vamos casar algum dia, ter alguma estabilidade financeira e principalmente emocional, passar férias em Quarteira com os filhos, ou comprar um carro que no mínimo tenha ar condicionado.
Quanto a conclusões práticas desta análise? Uma valente gargalhada e mais uma garrafa de Moscatel!

5 comentários:

Rosa disse...

Moscatel? Isso não é bebida de gente adulta! :DD

the hræfn disse...

Viva a demência!
Viva a inconsequência!
Viva a real gana!
Viva a espontaneidade!
Viva a temeridade!
Viva nós!

izzolda disse...

Ora eu gosto que a adultidão pareça sempre longínqua! Para além de que o próprio conceito de adulto está sempre a mudar; portanto, nada te garante que não atingiste uma espécie qualquer de vida adulta ;)

B.I.T.C.H. disse...

Oh damn, que tudo TAO ISSO!
descrição perfeita "daquilo" onde eu propria me sinto estar.
Caramba que é tão assim...até o xixi nas dunas. E fazer de sombra atrás das pessoas desconhecidas? e gostar de ser assim tonta, e dizer com orgulho que tenho amigos muita palerminhas.

Gostei*

Su disse...

De blog em blog vim parar aqui (o costume, como todos, portanto!) e li este texto fanatástico. Deixa-me dar-te desde já os parabéns pela descrição tão perfeita dos meus também 25 anos! Sim também me sinto a brincar aos executivos e a fingir-me no mundo dos "crescidos"...mas sabes o que me serve de consolo? É deparar-me com desabafos como o teu, que cada vez me dão mais a certeza que a nossa geração há 15 anos atrás olhava para a nossa actual idade como uma etapa já de adultos e agora que já cá estamos damos por nós completamente desintegrados, desconfortáveis e até por vezes desiludidos...mas enfim, continuemos mas é a fazer xixi nas dunas e a beber Moscatel com fartura, porque se isto tiver de mudar, não é por nós de certeza :)!!!!