quarta-feira, novembro 23, 2005

Prazos de Validade, Roturas e Stock, Recolhas e Embalamentos desta vida
"Todas as relações têm prazo de validade, Mia.", disseste-me tu, com o ar mais natural do mundo, a concluir uma loooonnngggaaaa conversa de gajas. Fiquei sem saber o que te responder.
Nunca nestes seis anos de amizade te ouvi dizer algo "da boca para fora", sobretudo sobre as coisas que te dizem respeito.
Sempre aceitaste - e quantas vezes aturaste - os meus embróglios emocionais, na maior parte das vezes sem sentido e fundamento. Mas não é do teu feitio explodir os teus problemas e preocupações para cima dos teus amigos. Resolves as coisas dentro da tua cabeça, demore o tempo que demorar, e depois sim, partilhas as tuas conclusões e decisões com quem importa.
Por isso, mesmo quando (pre)sinto que algo não vai bem na tua vida contenho-me ao máximo - e sabes bem o quanto isso me custa - para não te perguntar nada, porque sei que mais cedo ou mais tarde vens ter comigo, com a tua habitual e aparente serenidade dizer-me, por exemplo, que a tua relação tem os dias contados.
Não soube o que te dizer, nem sequer sei se tinha que dizer qualquer coisa, porque mais uma vez não me vieste expôr um problema, mas sim comunicar-me uma decisão. Mas como sei que não esperavas que dissesse alguma coisa, não me preocupo.
Mas mais uma vez fiquei a pensar no que me tinhas dito e a frase "todas as relações têm prazo de validade" não me sai da cabeça. Porque eu não consigo pensar assim. Nem sei se quero pensar assim!
Obviamente que tive relações em que o prazo de validade chegou ao fim, e minto se te disser que não o antevi, muitas vezes antes até de me meter nelas.
Mas decidi deixar de pensar em relações com prazos de validade, porque isso é meio caminho andado para não querer investir nada de mim: nem o meu tempo, nem a minha paciência, nem o meu amor, nem a minha família, nem a minha casa, nem os meus amigos, nem o meu bom humor, nem os meus problemas, nem o meu mau feitio de manhã, nem sequer as minhas gatas. E isso sim,seria uma verdadeira rotura de stock!
Só posso dizer que admiro a tua coragem, sentido prático e clareza de ideias.
Por enquanto, cá no meu mundo de Príncipes e Princesas, ainda acredito que as relações podem ser para sempre! Achas que tenho que crescer?

10 comentários:

Kwan disse...

Até te respondia... Mas a pergunta não foi para mim e a resposta ia dar pano para mangas. Mas, no limite, sim... TUDO tem um prazo de validade, a começar pela nossa própria existência. O "truque" é aprender a viver com isso.

Kwan disse...

Ou então fui só eu que já perdi toda essa magia...

Mia disse...

kwan,

Ou eu que sou irremediavelmente romantica! :)

Rosa disse...

Para sempre, claro! Pelo menos, enquanto durarem! ;)))

Rosebud disse...

Querida Mia,

Tudo na vida tem mesmo prazo de validade, acaba por ser isso que define a própria vida, tudo se define em relação ao seu oposto e só faz sentido pensar em começo se houver um fim. Mas sabermos que esse fim existe, que essa validade vai expirar, não pode tirar-nos a vontade de nos entregarmos e de disfrutarmos do que nos é dado experienciar, senão não vivíamos não é?, pois sabemos que um dia vamos morrer... Tenham o tempo que tenham, as relações, como a vida, são sempre merecedoras de tudo o que lhes pudermos dar. E tal como não passamos a vida a pensar na inevitável morte, tb não vivemos o amor à espera que termine. Ter consciência desse prazo de validade ajuda muito sobretudo num momento: no fim, justamente quando o prazo expira. Ajuda-nos a apanhar os cacos e avançar, pq sabemos q não fomos nós que passámos de validade, não foi a nossa capacidade de sentir, foi apenas aquela relação com aquela pessoa. Time to move on ;)

Mia disse...

Rosa,
O amor é eterno enquanto dura, não é? ;)

Rosebud,
O que quero dizer é que entro numa relação amorosa sem pensar que é "para sempre".
E "para sempre" não tem que ser levado à letra, significa apenas que acredito que "desta vez", até pode resultar. :)

izzolda disse...

Um dia de cada vez :) sem demasiado pessimismo nem demasiado optimismo. Ou pelo menos é como procuro ver as coisas :)

Mia disse...

Rosebud,
Como deves calcular, falta um "não" na primeira frase da minha resposta! Enfim, o trabalho tem destas coisas!

Izzolda,
Como eu gostava de ser ponderada!
Volta mais vezes :)

_farfallita_ disse...

Pois é mia... tocaste na "mouche" da minha "neura depressiva" (como tu lhe chamaste).
Há um mês atrás vivia descansada no meu conto de fadas quando, de repente, o prazo expirou... agora resta-me apanhar os cacos do que restou e tentar (que é bem diferente de conseguir) seguir a minha vida...

Kisss

Mia disse...

Farfallita,
É difícil "colar os cacos", mas é mesmo a única maneira. Há todo um ritual de final de relação, e o luto é uma das etapas que, pelo que percebi no teu blog, já ultrapassaste. Assim sendo, resta-te voltar a encontrar o prazer de sorrir.
Bate as asas e voa! :)

Beijinho :*